sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Gravidez e Amamentação: O importante é que cada gravidez seja planeada e vivida tranquilamente


«Dra. Fátima Palma

Não está definido qual o momento ideal para ter um filho, isso vai depender de cada casal. Assim, antes de parar o método contraceptivo deve procurar o seu médico para a realização da consulta pré-concepcional.


Nesta consulta após um breve resumo da história clínica e avaliação dos antecedentes do casal é feito: o resumo das gravidezes e partos anteriores; o despiste de doenças familiares ou outras que possam ter importância na gravidez; a análise das vacinas, do grupo de sangue, e são pedidos alguns exames complementares de rotina. Inicia-se a toma do ácido fólico.

O diagnóstico de gravidez acarreta sempre algum grau de ansiedade, pela incerteza do que vem a seguir: Será que está tudo bem? Haverá alguma malformação do feto? É necessário ir já ao médico? Ao obstetra ou ao centro de saúde?

Algumas destas questões ficam automaticamente respondidas quando se faz a tal consulta pré-concepcional, se tal não aconteceu, deve fazer um teste de gravidez que pode ser feito em casa, na farmácia ou num laboratório.

É importante que a grávida seja vigiada e acompanhada em consultas periódicas, sendo que a primeira consulta deve ser nas primeiras 10 semanas de gravidez e as seguintes de acordo com o calendário que for determinado pelo médico assistente.

Claro que nem todas as grávidas têm o mesmo risco obstétrico. As adolescentes, as mulheres com mais de 38 anos, as hipertensas, as diabéticas têm maior probabilidade de desenvolverem complicações no decurso da gravidez.

Na consulta pré-concepcional ou na primeira consulta o médico determinará o risco existente e se necessário a vigilância, numa consulta de alto risco.

As consultas pré-natais, a realização das ecografias obstétrica (às 12, 22 e 32 semanas) e das análises; uma alimentação equilibrada (atenção às restrições próprias da gravidez) e a prática de exercício físico adequado, permitem passar por este momento privilegiado e por vezes único da vida de uma mulher/casal de uma forma suave e prazenteira.

Existem em alguns centros de saúde e noutros locais, cursos de preparação para o parto, que se recomendam dado tratar--se de um momento vivido sempre com alguma ansiedade e expectativa principalmente na primeira gravidez.

E DEPOIS DO PARTO…

O leite materno contém todos os ingredientes necessários à alimentação do recém-nascido e conferem-lhe inclusive protecção contra algumas infecções.

No início tem um aspecto diferente (o colostro) mas é rico em elementos anti-infecciosos e destina-se a ajudar a relativa imaturidade fisiológica do recém-nascido.

A subida do leite dá-se habitualmente por volta do 5º dia após o parto e pode acompanhar-se de febre, dor e aumento do volume mamário. Procure ajuda sempre que necessário e não desanime.

O sucesso da amamentação tem a ver com a motivação, com alegria e prazer que dá à recente mamã. Mas se por qualquer motivo não puder ou quiser amamentar não se esqueça de que hoje em dia já existem excelentes alternativas para o leite materno.

Por último não vamos esquecer-nos da contracepção.

O espaço que se recomenda entre cada gravidez é de 2 anos e hoje em dia existem várias opções contraceptivas possíveis durante a amamentação que não interferem quer com a qualidade quer com a quantidade do leite materno.


Dra. Fátima Palma,
Ginecologista/Obstetra na Maternidade Alfredo da Costa,
Voluntária na Associação para o Planeamento Familiar »

Fonte: Medicos de Portugal
Link:http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/2046/?textpage=2

1 comentário:

Sofia e Pedro disse...

Olá, visito este simpático cantinho pela primeira vez e deparo-me com artigos interessantissimos!
Voltarei mais vezes :-)
Beijinhos,Sofia,Pedro e Joana