quinta-feira, 29 de maio de 2008

Mantenha o seu bebé


«29 | 05 | 2008 09.25H

«Não nos roubem os bebés», pediu o Professor Mário Cordeiro, num debate promovido pela revista Pais e Filhos, sobre Nascer em Portugal, que aconteceu ontem no CCB. Pediatra, pai de cinco filhos, junta todo o seu saber profissional a uma sensibilidade de quem já sentiu as coisas na pele. É por isso que as suas receitas não cheiram a bafio, nem são declarações de intenções, que o melhor dos pais fica sempre a milhas de cumprir.

Quando apela a que não nos tirem os bebés, não fala nem em taxas de natalidade, nem tão-pouco em crianças desaparecidas - acusa, preto no branco, muitos técnicos, nos hospitais e nas maternidades, de «sequestrarem» as crianças, como se quem lhes dá vida não tivesse habilitações para saber como os deve acolher neste mundo.

Por outras palavras, nascer em Portugal continua a ser pior do que deveria ser, não por falta de meios - a desculpa usada para tudo - mas porque se continuam a adoptar más práticas, que poderiam ser alteradas «a custo zero». Fique com uma mão-cheia delas, que Mário Cordeiro enunciou.

1 Grávidas obrigadas a permanecerem deitadas no pós-parto, quando se sabe a importância de que se mexa, e deixe trabalhar em si a força da gravidade.

2 Impedir o pai de estar presente no parto, mesmo se for uma cesariana com epidural, alegando uma desculpa qualquer. A ciência prova que os bebés precisam do pai e o pai precisa do bebé. E as mães precisam dos pais.

3 Não deixar que o recém-nascido mame, mal nasce, a pretexto de mil cuidados médicos, que poderiam ser prestados mais tarde, sem prejuízo nenhum. À excepção, claro, dos que precisam de uma reanimação ou de outro tratamento imediato, mas que não representam mais de 20% de todos os nascimentos.

4 Ter pouca paciência para ajudar a mãe a aprender a amamentar, oferecendo logo soluções de suplementos alimentares, que colocam em risco a continuação da amamentação. Às vezes à sucapa.

5 «Esquecer-se» de dizer à mãe que a subida do leite é acompanhada de stress, que as hormonas explicam os seus acessos de choro e tristeza, e ajudá-la a superar os obstáculos que vão surgindo.

6 Deitar o bebé de lado, como acontece ainda em muitos berçários, quando já há 19 anos se sabe que esta posição aumenta o risco de morte súbita. «Não é uma questão de moda, mas de sobrevivência», diz, apelando a que os directores de serviço e a DGS vigiem estas situações.

7 Não aceitar a ameaça subliminar de que «se refilas é pior». Mãe e pai não podem aceitar que o seu filho não entre neste mundo com o pé direito.
Isabel Stilwell | editorial@destak.pt»

Fonte: Destak
Link:http://www.destak.pt/artigos.php?art=11518

1 comentário:

Cat disse...

" Grávidas obrigadas a permanecerem deitadas no pós-parto, quando se sabe a importância de que se mexa, e deixe trabalhar em si a força da gravidade."

eu estive lá e foi dito... deitadas durante o trabalho de parto (não no pos-parto)...
Cat